quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Realização

 


    Um grande mestre do século passado tinha um discípulo que era muito obtuso. O mestre ensinou-lhe as mesmas coisas muitas e muitas vezes, tentando introduzi-lo à natureza da sua mente, mas foi inútil. A final o mestre ficou sem opções e lhe disse: "Olhe, quero que leve este saco de cevada até o alto daquela montanha ali. Mas você não deve parar para descansar. Continue simplesmente subindo até chegar ao alto".  
    O discípulo era um homem simples, mas possuía uma inabalável devoção e confiança em seu mestre, de modo que fez exatamente o que lhe foi recomendado. O saco era pesado; pegando-o partiu montanha acima, não ousando parar. Simplesmente seguiu e seguiu. O saco foi ficando cada vez mais pesado. Demorou um tempão. Por fim, ao chegar ao alto da montanha ele jogou o saco no chão. Atirou-se no chão dominado pela exaustão mas profundamente relaxado. Sentia a brisa fresca da montanha em seu rosto. Toda sua resistência se dissolvera, e com ela sua mente ordinária. Tudo parecia ter parado. Naquele exato instante ele de súbito obteve a realização da natureza de sua mente. "Ah era isto que meu mestre esteve mostrando todo o tempo", pensou. Desceu correndo a montanha e contrariando todas as convenções , invadiu o quarto do mestre.

   - "Acho que agora pesquei....Pesquei mesmo!"
   Seu mestre lhe sorriu como quem sabe das coisas: "Então a subida da montanha foi interessante, não foi?"  

Texto retirado do livro: O Livro Tibetano Do Viver E Do Morrer, Sogyal Rinpoche
Imagem: http://joseluisavilaherrera.blogspot.com/
Postar um comentário