quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Pablo Neruda

Nós, os que percebemos, tocamos os metais, o vento, as margens do oceano, as pedras, sabendo que seguirão, imóveis ou ardentes, e eu fui descobrindo, dando nome as coisas:
foi meu destino amar e despedir-me.


Texto de: Aún; Pablo Neruda
Postar um comentário