segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Você está pronto para ser trucidado?


Durante as guerras civis na China feudal, todos os habitantes de uma cidade fugiram apavorados ao saberem que um exército invasor estava se aproximando para saquear e tomar o poder. O general daquele exército era conhecido por sua crueldade.
Quando chegaram à vila, os batedores disseram ao general que todo0s tinham fugido, exceto um mestre Zen que ainda se encontrava no templo. O general foi até lá, curioso em conhecer o tal homem.
Ao chegar, não foi recebido com a normal submissão e terror com que estava acostumado a ser tratado por todos. Isso levou o general à fúria.
"Seu tolo, não percebe que você está diante de um homem que pode trucidá-lo num piscar de olhos?" , gritou o general.
"E você percebe que está diante de um homem que pode ser trucidado num piscar de olhos?", perguntou o mestre.


Texto retirado do livro: Pocket Zen, do Autor Bruno Pacheco

Imagem: Banco de imagens gratuitas, Game 2

sábado, 29 de janeiro de 2011

Celebrações das contradições


"Como trágica ladainha a memória boba se repete. A memória viva, porém, nasce a cada dia, porque ela vem do que foi e é contra o que foi. Aufheben era o verbo que Hegel preferia, entre todos os verbos do idioma alemão.
Aufheben significa ao mesmo tempo, conservar e anular; e assim presta homenagem à história humana, que morrendo nasce e rompendo cria."

Este texto é muito Zen.

Texto retirado: Do Livro dos Abraços, do autor Eduardo Galeano

Imagem: Banco de imagenes Gratuitas;

Selecciones especiales del Banco de Imágenes XXXV

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Um Buda para o pai ( uma pequena interferência nesse Blog)


Um Buda para o pai
( uma pequena interferência nesse Blog)

A fé quando sincera e serena é realmente contagiante. A roda do dharma gira e tudo parece contribuir para que o ser encontre o seu objetivo e contemple a sua experiência. Assim foi com o nosso Paulo, assim foi com o pai - como diria sua filha Paula atenta aos seus anseios.
Quando o pai estava iniciando suas descobertas no budismo ,eu e a Paula estávamos preocupadas em encontrar uma representação do Buda histórico para satisfazer um desejo dele de ter um canto para suas práticas . E nesta cidade como na região foi um anda daqui e um anda dali para achar algo que considerássemos adequado para o pai. E todos os dias onde quer que fôssemos procurávamos algo para agradar aquele homem que ,sem perceber, nos contagiou com a sua prática a ponto de nas pequenas atitudes estarmos voltadas para ela. A Paula sempre dizia; achou um Buda para o pai? - quase sem saber quantas representações poderiam existir e sem entender todo o contexto , mas feliz na devoção a fé do pai. E a cada busca , um amigo, um vizinho , o cunhado, alguém dava informações sobre uma imagem que achava.
A busca do nosso Paulo nesses anos todos foi tão incansável, que ele estudou horas o mais que pode, procurou o mais que pode, encontrou pessoas, conversou, trocou experiências, se aventurou , suspirou, admirou , contemplou, errou, acertou e encontrou. Encontrou pessoas maravilhosas que o ajudaram na prática como a monja Coen e o querido Monge Enjo, mesmo longe, mas tão perto. Do senhor que fabrica o zafu, e de todos os outros grupos solitários como ele. E assim a jornada continuava - Paula ! Viu um Buda para o pai? E o homem perseverou em encontrar os ensinamentos e praticar e viu o Zen e sentiu o Zen e se confortou no Zen. E nós o acompanhamos e o incentivamos para os retiros , para os encontros e procurávamos mais que uma representação de Buda para ele, respirávamos junto com ele o ar do budismo e fazíamos de tudo como fazemos agora para que ele pudesse praticar.
Esse Paulo ainda solitário , que não tem uma shanga, que ainda não tem os seus votos de botsatva, mas que tem todas as shangas do mundo e o seu voto apenas com o budismo, com os ensinamentos e que sempre procura uma palavra do caminho para despertar alguém. E dessa forma caminhando achamos um Buda para o pai, ou Buda o achou . Indicamos a loja , ele entrou , se olharam e ele disse - É esse! - simples assim, pequeno, representativo, bonito como a mente zen , como a sua fé que nos inspirou.
Que a inspiração chegue a todos os seres, praticantes ou não , a inspiração calma e tranquila da vontade que elimina as diferenças ,como chegou para o pai da Paula e para mim , sua esposa ; a inspiração da alegria de servir aos propósitos de um devoto sincero pelo simples prazer de ver sua fé suspirar e se expandir no caminho do bem.
Beijos pai! Que a iluminação te alcance! Que Buda sempre te inspire!

Da sua Anne e da filha Paula

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Reaprender a viver com a natureza


A dor pelas mortes e destruição no Rio de Janeiro é grande, é sufocante. Mas é necessário força para recomeçar e para reaprender com a própria natureza. Durante séculos os humanos usaram os recursos da natureza, sem o mínimo de escrúpulos. No mundo todo a Natureza grita por mudanças em nossas atitudes. Não percebemos seus gritos, exatamente por não contemplarmos mais; apenas usamos, usamos, usamos... . Uma lei física diz: "Para toda ação, existe uma reação contrária de mesma intensidade". Simples assim. Antes de tomar uma atitude, observe, contemple, perceba, sinta, os aromas, os ventos, os sons que a natureza emite. É a forma de comunicação da Terra com os homens.
Só podemos ter certeza de uma coisa, a lei da ação e reação não mudará.




Imagem: .BancodeImagenesGratuitas.com - Fondo Marino 1